Meia hora pra ir, meia hora pra voltar


Por Rodrigo Cozzato

Ah, como é bom ir ao trabalho de moto. Sair “atrasado” e chegar no horário. Em meia hora, saí de casa, parei no posto para calibrar os pneus da motoca, tomei um café na padaria, percorri os 24 quilômetros e cheguei são e salvo. Se tivesse vindo de carro, ainda estaria na Raposo.

Passei as duas últimas semanas indo e voltando de carro. Em média uma hora e meia cada trecho. Muito tempo pra ficar dentro de um carro. E ontem, pra ajudar, a Raposo resolveu estacionar. Não sei ao certo o que aconteceu, pois fiz um caminho nem um pouco alternativo: Eliseu de Almeida, Regis, Rodoanel (pedágio) e Raposo. Uma hora e meia também, não refrescou muita coisa.

Foto: Rodrigo Cozzato

Cena comum no cotidiano da Raposo Tavares

E como o sol voltou a brilhar hoje, resolvi pôr a motoca pra rodar. E relembrar as aventuras que é pilotar pela Raposo com tantos motoristas e motociclistas impacientes, que mudam de faixa sem sinalizar, ziguezagueando sem parar. Tenho a nítida impressão que ninguém mais usa as setas e os espelhos retrovisores; as pessoas andam como se a rua estivesse ali só pra elas. Ou, muitas vezes, acho que saí de casa no modo “invisível”, só pode.

Pitacos

* Motorista, por favor, quando o trânsito estiver parado, não mude de faixa nas curvas. Não há necessidade. Os motociclistas que vêm pelo corredor não têm visão e, dentro da curva, deparam-se com você “estacionado” no meio do caminho. Programe sua mudança de faixa com antecedência e evite aborrecimentos.

* Motociclista, não ultrapasse outra moto na curva e dentro do corredor. Se uma das duas motos mover o guidão um centímetro, vão os dois para o chão. Um motoca não teve a paciência de me esperar sair da curva hoje e me ultrapassou perigosamente. Eu já havia sinalizado que iria dar passagem. Mesmo assim, ele se arriscou para, 200 metros à frente, parar no semáforo.

Obs.: o leitor deve estar perguntando “Mas esse tal Rodrigo não é o da moto? Por que ele fala tanto de carro?”. Pois bem, ano passado sofri um acidente com minha moto em um dia de muita chuva. Não fiquei com medo, mas resolvi não mais andar de moto na Raposo quando chove. Quanto ao acidente, esse é assunto para um outro texto.

2 Respostas to “Meia hora pra ir, meia hora pra voltar”

  1. Carolina Maia Says:

    Salve Sr. Cozzato!

    Antes de qualquer coisa, parabéns pelo site! As dicas e questionamentos estão ótimos!
    Bom, a respeito das mudanças de faixa e motociclistas pelos corredores… A pessoa que aqui vos fala (ou escreve) foi vítima dessa combinação.. Estava eu em minha pequena caranga problemática dias desses, parada tranquilamente no famoso trânsito matutino do km 25,5 da Raposo, quando senti a pancada na traseira… o resultado de um motociclista no corredor e um motorista que não conhece a função do retrovisor, foi um belo risco profundo feito pelo guidão na traseira do meu carro… O motoqueiro? Foi embora, sem a menor explicação… E a motorista aqui ficou com o prejuízo!!!!!
    Abs.

  2. Joaquim Says:

    passo por isso. todo dia.. agora tem motoqueiros que você esta a 70 km no corredor e eles querem passar.. um absurdo!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: