Raposo Tavares: o pouco-caso diário


Por Rodrigo Cozzato

Retomo o tema do último texto publicado neste blog sobre a pouca ou quase nenhuma fiscalização sobre veículos de grande porte pelas autoridades no trecho entre São Paulo e Cotia da rodovia Raposo Tavares. Hoje pela manhã, um caminhão quebrado (em péssimo estado de conservação, é bom que se diga), além de um acidente envolvendo carro e moto, complicaram demais a vida de quem utiliza a rodovia até São Paulo. O congestionamento chegou ao quilômetro 34.

Tenho cada vez mais convicção que a Raposo é terra de ninguém. Cada um faz o que quer e a Polícia Rodoviária faz que não vê. Como já disse anteriormente, não estou criticando o trabalho dos patrulheiros rodoviários como um todo. Em diversos pontos do Estado a fiscalização é séria e funciona; o que não dá para entender, entretanto, é por que há tanta vista grossa nesse movimentado e perigoso trecho da Raposo Tavares.

Ontem eu me deparei com uma cena bastante perigosa: uma moça parecia aprender a conduzir uma motocicleta em plena Raposo. De outra moto, um pouco à frente, um rapaz dava as coordenadas, aparentemente “ensinando” aquilo que ela deveria aprender em uma autoescola. Ela não estava aprendendo a trafegar pela rodovia, mas aprendendo a pilotar, uma vez que andava muito lentamente, em zigue-zague, e cortando a frente de alguns veículos. Pergunto: é o local ideal para aprender a guiar?

É evidente que não. Porém, infelizmente, a maioria dos brasileiros só aprende quando dói no bolso. Um caso como o relatado acima devia ser combatido duramente pela Polícia Rodoviária, a motocicleta, apreendida, e se ficasse comprovado que o rapaz estava fazendo as vezes de instrutor, sofrer penalização também. Uma atitude tão irresponsável e inconsequente num domingo à tarde poderia ter causado um gravíssimo acidente, e quem se responsabilizaria por ele?

Some-se a isso aqueles caminhões que carregam terra e que trafegam a velocidades absurdas; fretados, micro-ônibus e lotações quem andam em velocidades idem, como se fossem os donos da rua; motoristas com pouca ou nenhuma habilidade, que conduzem carros velhos, com nenhuma manutenção; e motociclistas pilotando como se estivessem numa pista de corrida. Dá pra somar também sujeira na pista, curvas que exigem perícia, obras que nunca acabam e pronto: o caldeirão da bruxa está pronto para ser servido.

Não dá para tolerar mais esse tipo de atitude. Quem utiliza o trecho urbano da Raposo diariamente já sofre demais com os congestionamentos, e não é justo ainda ter que conviver com motoristas ruins, irresponsáveis e com pouca perícia, nem com “alunos” e “instrutores amadores”.

Uma resposta to “Raposo Tavares: o pouco-caso diário”

  1. Daniel Cotrim Says:

    Bem na frente da policia rodoviária tem um poste deitado no canteiro central.. Precisa dizer mais?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: