Impostos, pedágios e Big Brother: o que você tem com isso?


Por Rodrigo Cozzato
Foto: Milton Michida/Portal Governo de SP

O assunto discutido neste texto parece não ter a ver com rodovias, mas tem. Indiretamente, mas tem. Ao fazer a declaração de imposto de renda, vi uma coisa que já sabia há algum tempo: preciso trabalhar uns quatro, cinco meses do ano apenas para pagar o fisco e o INSS. E você também.

Revoltante, mas não para por aí. Há ainda impostos embutidos no combustível, nas parcelas do financiamento, na camisa e na calça, no telefone, no arroz e feijão de todo dia, na hora de pagar a conta no restaurante, no cafezinho e onde mais sua imaginação alcançar.

Aqui o paralelo com as rodovias começa a ser traçado: os pedágios. É indiscutível o quanto as rodovias — pelo menos em São Paulo — melhoraram após as privatizações. Porém, o que não dá para concordar são os preços abusivos que as concessionárias praticam sem o menor controle por parte dos governantes. Isso se estende a outras concessões, como, por exemplo, a telefonia.

Estamos às vésperas da inauguração de um belo trecho do Rodoanel. Sem dúvida irá tirar muitos caminhões do pesado trânsito diário paulistano. Mas a pergunta é: quando os pedágios entrarem em operação a todo vapor, os caminhoneiros irão mesmo utilizar o anel viário?

Foto: Milton Michida

Pedágios poderão afastar caminhões do Rodoanel

A não cobrança de pedágio no Rodoanel foi uma das promessas do então governador e idealizador da obra, Mário Covas. Seu sucessor, Geraldo Alckmin, e o sucessor dele, José Serra, seguraram essa bandeira até verem que dali dava para fazer uma imensa usina de dinheiro.

A cobrança começou com R$ 1,20; hoje, custa R$ 1,30. De grão em grão, o governo vai aumentando, repassando para os usuários, e, sem mais nem menos, a cobrança está nas alturas. Estima-se que o Rodoanel custará R$ 6. A conta é fácil de fazer. Multiplique R$ 6 por cinco, seis eixos da maioria dos caminhões e diga se 100% das empresas de transporte irão aderir ao anel viário. E os pedágios não param por aí. Se parte do dinheiro arrecadado fosse investido em transporte público, aí sim poderíamos começar a discutir redução de veículos na rua. Do contrário, fica difícil.

Tanto imposto, tanto tributo… É revoltante. Tal qual a inércia da população, que não faz nada para mudar esse panorama. O que fazer? Pensar melhor na hora de apertar o “confirma” no dia da eleição. Ora, se os 150 milhões de brasileiros que votaram para escolher quem seria o vencedor do Big Brother Brasil se juntassem, poderiam dar outro rumo para este país, não é mesmo? Pense nisso!

Tags: , , , ,

Uma resposta to “Impostos, pedágios e Big Brother: o que você tem com isso?”

  1. Adriana Says:

    É o que eu falo, aqui no Brasil nos temos um tipo de política reversa. Tudo para a população ficar cada vez mais ignorante, tudo é “pão e circo”. Se fosse pela vontade do nosso Governador José Serra, ele privatizaria tudoooo. Ele até já pensou em privatizar a USP e a UNICAMP, o que é um aumento de aproximadamente 400% num simples pedágio no Rodoanel?

    Concordo com você Rodrigo, nós temos que sentir parte desse país, temos que participar mais, e reivindicar nossos direitos e cobrar os deveres de quem elegemos. Nós somos em parte responsáveis por todo esse caus que vivemos nas grandes cidades “em especial S. Paulo”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: