O problema da Raposo não é a Raposo


Por Rodrigo Cozzato

Há meses vemos obras intermináveis e não concluídas na Raposo Tavares. Muitos as chamam de “perfumaria”, que não vão resolver os problemas dos congestionamentos de fato. Porém, o problema maior não é a falta de pontos de ônibus, de recuos, acostamentos, etc.; é o que está ao lado da rodovia.

Pela manhã, no sentido São Paulo, é possível notar que o trecho sul do Rodoanel conseguiu desafogar o tráfego pesado de caminhões, mas ainda assim se vê pontos de lentidão justamente em acessos e saídas da Raposo.

É o caso da subida logo após o acesso à estrada do Embu. Caminhões pesados saem daquele trecho e, logo na subida, enfrentam dificuldade para desenvolver maior velocidade. E tem os “apressados”, caminhões a 30 km/h que vão para a faixa do meio para ultrapassar outro que está a 25 km/h. Em meio a isso, há as lotações, micro-ônibus, carros, motos, que se misturam e complicam ainda mais a lentidão.

Mais à frente, há outros dois trechos parecidos. A saída do Rodoanel, que costuma travar pela manhã, e o acesso à avenida Politécnica. Vários carros que vão acessá-la trafegam pela faixa da esquerda, e só vão para a direita em cima da hora.

Na volta para casa, à noite, a cena se repete. Primeiro, a saída do Jardim Peri-Peri. À frente, no quilômetro 14,5, há um acesso para diversos bairros da Zona Oeste. Quem precisa entrar ali, muda de faixa em cima da hora. O acesso ao Rodoanel mais uma vez complica o trânsito, que para de vez na subida do quilômetro 22; não é raro ver caminhões nas três faixas em plena subida, um querendo ultrapassar o outro. Ali o congestionamento passa dos dois quilômetros.

Outros acessos, como para os condomínios do quilômetro 26,5, a estrada Fernando Nobre e o retorno do quilômetro 30, também tiram a paciência do motorista, mas o que tem se mostrado realmente insuportável é o acesso à estrada do Embu, no quilômetro 26. O congestionamento para acessar a estrada ou fazer o retorno muitas vezes chega a três, quatro quilômetros.

Logo ao acessar a estrada do Embu, há uma rua interditada ao lado de um hipermercado, que foi destruída pelas chuvas de janeiro. Essa rua dava acesso à estrada do Capuava, que tem diversos condomínios.

O desabamento da rua começou a ser recuperado, mas a obra, que não termina nunca, se soma a um sem-número de carros e motos, ônibus e lotações que param no meio da rua, um cruzamento sem qualquer sinalização, a entrada e saída de veículos no hipermercado e, principalmente, grandes caminhões que acessam ou vêm da Régis Bittencourt para não pagar pedágio no Rodoanel. No sentido bairro/Raposo o congestionamento às 18h30 passa dos dois quilômetros. Sem contar o asfalto da rua, que é péssimo.

Claramente, fica evidente que o problema da Raposo Tavares não são as curvas, as subidas, as três faixas, mas sim as vias de acesso à rodovia, que despejam um número absurdo de veículos de todos os tamanhos, complicando demais o já caótico trânsito, que não absorve a demanda. Há também os incontáveis condomínios que aparecem à beira da Raposo da noite para o dia. Mas esse é um outro assunto…

Tags: , ,

Uma resposta to “O problema da Raposo não é a Raposo”

  1. Luiz Vilela Says:

    Ótimo artigo, bem detalhado e focado. Os acessos de tráfego pesado certamente exigem pistas de aceleração e desaceleração bem maiores e melhor sinalizadas e demarcadas, com “tartarugas” e faixas. Só um adendo: acredito que ainda assim não se resolveriam os congestionamentos, filas, etc. É absolutamente necessário e urgente construir avenidas para tráfego local na Granja Vianna e para ligação Centro-Granja. Certamente não é fácil, mas não há outra solução. Certamente muitas cidades de topografia difícil como Cotia passaram por isto um dia.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: